A escrita de Washington Olivetto – Simples, direto e genial

A escrita de Washington Olivetto – Simples, direto e genial

Por Fernando Rebouças

Considerado um dos maiores publicitários do Brasil e do mundo, Washington Olivetto nasceu em São Paulo, no dia 29 de setembro de 1951. Além de ter planejado e lançado campanhas publicitárias antológicas para marcas como Bombril, sutiã Valisère, Folha de São Paulo, Itaú, Revista Época, entre outros, ele possui uma escrita de alta qualidade para narrar suas experiências no universo da publicidade e do cotidiano social.

Como autor de livros, Washington Olivetto também consegue explanar de forma simples, direta e descritiva a complexidade do emocional humano perante experiências culturais (presentes, por exemplo no futebol) e mercadológicas. Através dos textos de Olivetto é possível compreender que a publicidade e a propaganda cumprem um papel muito maior do que simplesmente anunciar e vender produtos, a propaganda também educa, conscientiza, informa, constrói comportamentos sociais de alta qualidade e aprimora a relação do consumidor cidadão com a sua liberdade de decisão de compra.

Em seu novo livro “Direto de Washington” publicado em 2018 pela editora Sextante, Olivetto analisa o perfil da universalidade humana presente no cotidiano social e na temática de um comercial, afirmando que o sentimento e a vivência humana pode ser sentida da mesma forma em determinada época independente das tecnologias e das tendências nas relações sociais, esse fator fica nítido no seguinte trecho da obra:

“Muita gente me pergunta se, nos dias de hoje, com o politicamente correto e a grande quantidade de ignorantes e covardes protegidos pelo anonimato nas redes sociais, o comercial Valisère, o primeiro sutiã poderia ser feito. Seríamos enxovalhados pela opinião pública como incentivadores da pedofilia?

Sinceramente, não duvido que hoje o comercial recebesse críticas absurdas. Mas acredito que poderia ser feito, sim, porque ele reflete um sentimento que não é de ontem nem de hoje. É de sempre.

Certas coisas na vida não mudam, o que muda é o contexto ou a tecnologia. Quando eu era menino, as redes sociais já existiam. Eram formadas por senhoras que futricavam entre si sobre o comportamento da filha da vizinha, que teria sido vista agarrando o namorado na esquina da rua onde moravam (…).

Valisèrie, o primeiro sutiã  não só poderia ser feito nos dias de hoje como talvez seja um dos poucos comerciais da história  da publicidade com densidade suficiente  para merecer um remake. Eu mesmo já imaginei como seria esse remake. Quem sabe um dia ainda acabo fazendo?”

(Página 78)

Através da vivência e da percepção de Olivetto, a realidade e o mundo da publicidade apresentam as suas naturais conexões na formação do indivíduo e de suas diárias identificações sociais, culturais e econômicas. O autor, em seu atual livro, busca compartilhar memórias e desafios atuais vividos como pessoa e publicitário, porém, Washingtos Olivetto surpreende o leitor e consegue ir muito além, nos oferecendo o conhecimento direto de Washington, sem escalas.

Conheça mais o livro: http://www.esextante.com.br/livros/direto-de-washington/

http://www.esextante.com.br/autores/washington-olivetto

Direto de Washington

Assista ao comercial da marca Valisèrie citado no artigo:

Fernando Rebouças é editor, publicitário e jornalista.

 

, ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *