Asfalto orgânico

Asfalto orgânico.

Por Fernando Rebouças

O asfalto utilizado em ruas e estradas é composto por betume espesso, um material aglutinante, escuro e reluzente. É sólido proveniente da mistura de hidrocarbonetos não voláteis com alta massa molecular, minerais e resíduos do petróleo bruto. O asfalto é considerado uma ameaça para a sustentabilidade por apresentar derivados de petróleo.

Desde os anos 2000, têm sido realizadas diferentes pesquisas para a produção de uma asfalto de menor impacto ambiental e que ofereça a mesma resistência do asfalto tradicional. Os componentes oriundos do petróleo são substituídos por óleos derivados de árvores e plantas no intuito de criar um asfalto ambientalmente correto.

Esses óleos de origem vegetal podem ser feitos a partir do açúcar, amido de batata, melaço, arroz e até milho. Resíduos de resinas de árvores, amendoins e cocos também são utilizados. Em 2013, nos EUA, na Universidade de Kansas, foi divulgada a invenção de um asfalto ecológico feita por um universitário do curso de engenharia civil.

O asfalto ecologicamente orgânico ou bioasfalto oferece a mesma eficiência e capacidade de solidificação sobre a terra bruta. A rigidez é possível graças à adição de uma substância orgânica referida como lignina, substância que também ajuda a fortalecer a liga do novo asfalto com a terra solta e as pedras.

O estudante conseguiu a solução de cinco concentrações diferentes da substância, a pesquisa persegue a possibilidade de aumentar a resistência do material e a diminuição da erosão do bioasfalto. A universidade norte-americana tem apoiado a pesquisa, incentivando o processo de análise exaustiva dos níveis de erosão relacionada à concentração de lignina, concentração de água e compactação final no solo.

O objetivo final é permitir uma maior estabilização do solo. A lignina é obtida facilmente a partir do metabolismo das plantas, detectada nos resíduos da agricultura, como o bagaço de cana-de-açúcar e na palha de milho. Essa substância é considerada o terceiro componente químico natural existente na madeira.

O bioasfalto poderá se tornar numa nova alternativa ecológica para a pavimentação de estradas e ruas, gerando menor nível de emissão de gases de efeito estufa e menor nível de impacto ambiental no solo e no meio ambiente. Porém, é necessário que as empresas produtoras de asfalto e os governos (responsáveis diretamente pelos processos de pavimentação) apoiem e utilizem a invenção.

Referências:

http://envolverde.com.br/noticias/estudante-norte-americano-desenvolve-asfalto-organico/

http://ciclovivo.com.br/noticia/estudante-norteamericano-desenvolve-asfalto-organico

http://pt.wikipedia.org/wiki/Asfalto

http://www.coletivoverde.com.br/bioasfalto/

 

,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *