Carnaúba

Carnaúba.

Por Fernando Rebouças

Árvore da família “Arececeae” é endêmica no semi-árido do nordeste brasileiro. Seu nome científico é Copernicia prunifera, e é símbolo dos estados do Piauí e Ceará. Das raízes é retirado substâncias medicinais, os fruto são usados como ração animal, a madeira serve para construção civil, as palhas são utilizadas no artesanato e extração de cera.

Essa espécie é encontrada nos estados do Ceará, Piauí e Rio Grande do Norte, possui alguns parentes em outros países da América do Sul como na Venezuela, Bolívia e Paraguai. Essa espécie de planta produz cera para evitar a perda de umidade.

É uma planta adaptada ao clima semi-árido e, portanto, serve de base para atividades econômicas mesmo em época de estiagem (falta de chuva e seca). É fonte de renda para muitas famílias de comunidades rurais.

É predominante em solos argilosos, aluviões e margem de rios. É resistente também a regiões alagadas e com alto teor de salinidade, comum na caatinga. A sua cera tem importância industrial, pois, quando refinada, serve como insumo para a fabricação de produtos farmacêuticos, cosméticos, plásticos fotográficos e filmes.

A cera ainda é utilizada como lubrificante e revestimentos. As florestas de carnaúbas predominam nas planícies aluviais dos rios nordestinos, ajuda na manutenção do equilíbrio ecológico dessa região conservando o solo, a fauna e o curso d´água.

Antes da cera da carnaúba ser valorizada pelas atividades industriais, as carnaúbas eram alvo de desmatamento para a introdução de outras atividades de produção agrícola e criação de camarão. O ponto de derretimento de sua cera é 78 graus Celsius, bem acima das outras espécies por ser mais dura, portanto, muito utilizada em revestimentos de carros.

A cera não é solúvel em água pela sua durabilidade, a cera também é usada pelos surfistas na produção de pranchas. Na indústria farmacêutica é utilizada para cobrir tabletes e servir como embalagens de alimentos. A cera da carnaúba é utilizada no Brasil e no mundo.

Essa cera ainda gera uma espécie de álcool alifático, o “Triacantonol-Tria”, muito utilizado na área médica como inibidor de peroxidação dos lipídios e como anti-inflamatórios. A extração da cera da folha da carnaúba é referida como “bagana” utilizada para fins agrícolas, em compostagem e cobertura do solo.

No artesanato, a palha é usada para a fabricação de cestas, trançados, bolsas, chapéus e caixas. As peças de artesanato faz bastante sucesso entre os turistas da região nordeste.

Referências:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Carna%C3%BAba

http://www.seagri.ce.gov.br/carnauba.htm

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *