COP 15 (Resultados)

COP 15 (Resultados)

No início, referida nos corredores como “Hopenhague” , de hope (esperança) , e no seu término de “Flopenhague”, de flop (fiasco), A 15ª Conferência sobre Mudança Climática, ocorrida em Copenhague não conseguiu unificar os objetivos ambientais aos econômicos entre países pobres e ricos.

A conferência, também conhecida como COP-15, foi encerrada no dia 18 de dezembro de 2009, durou duas semanas, não gerou um documento legal de compromisso entre as nações, e ainda sobrecarregou as expectativas sobre a COP-16, que será sediada em 2010, no México.

No término da conferência, o presidente francês, Nicolas Sarkozy, divulgou que a chanceler alemã, Ângela Merkel, pretenderia realizar negociações na cidade de Bonn, em seis meses, como prévia para a COP-16.

Entre a ECO-92, realizada no Rio de Janeiro, e a COP-15, as diferenças são o acesso a dados mais tangíveis e um maior comprometimento político e social na sociedade global de forma mais profunda nos dias atuais.

Desde a COP-13, realizada na Indonésia, em 2007, havia um comprometimento de realizar todas as diferenças e questões ambientais na recente COP-15, porém não houve consenso sobre as metas e a ausência das mesmas entre os países.

A COP-1 foi realizada em Berlim, em 1995. Na COP-1 foram definidos compromissos legais de redução de emissões que foram inseridos no Protocolo de Kyoto.

A COP-15 deixou uma imagem de desastre e frustração em virtude da incapacidade dos países ricos de assumirem compromissos sobre a redução das emissões, principalmente da parte dos EUA e China.

O impasse pode permitir a elevação da temperatura da Terra em até 3ºC, condenando a humanidade a fome, doença e mortes. Além da elevação do nível dos oceanos e do aumento do contingente de refugiados ambientais.

No último dia da COP-15, 18 de dezembro, o presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, criticou a barganha entre os países ricos, os responsabilizando pelo preço mais alto na reparação da poluição causada pelas nações que se industrializaram mais cedo. O presidente brasileiro, sob aplausos, afirmou: “Quando falamos em dinheiro, não podemos pensar em favor ou que estamos dando uma esmola. Os ricos têm que saber que estão pagando pelas emissões das últimas duas décadas. Os países em desenvolvimento não querem discutir apenas o meio ambiente, mas querem também falar de desenvolvimento e oportunidade”.

Segundo a ONG, Sierra Club, um dos culpados é o Senado dos EUA, que não aprovou a legislação defendida por Obama, presidente dos EUA, para a redução das emissões por parte das empresas norte-americanas.

Referências:

http://www1.folha.uol.com.br/folha/ambiente/ult10007u668669.shtml

http://oglobo.globo.com/pais/noblat/posts/2009/12/19/copenhague-foi-desastre-segundo-ecologistas-251413.asp

http://oglobo.globo.com/pais/noblat/

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *