Dom Vital

Dom Vital

Por Fernando Rebouças

Nascido em 27 de novembro de 1844, no Engenho Aurora, Pernambuco, Vital Maria Gonçalves de Oliveira era bispo capuchinho. Estudou na Escola Pública de Itambé, e depois ingressou no Colégio dos Sacerdotes de Benfica, em Recife.

Era muito inteligente nos estudos, ingressou no Seminário de Olinda, onde recebeu a tonsura das mãos de Dom João da Purificação, em 1861. Recebeu o mérito de ir estudar Teologia no Seminário de Issy, em Paris. Morou em Paris até 1863, quando ingressou para o convento dos Capuchinhos da cidade de Versailles.

Terminou seus estudos sacerdotais em Toulouse, França , em 1868. Retornou ao Brasil, e começou a trabalhar como professor de Filosofia no Seminário Maior de São Paulo. Em 1871, fora escolhido por Dom Pedro II para ser bispo de Olindo, cargo ocupado a partir de 1872, aos 27 anos.

Tornou-se autor da Questão Religiosa ao iniciar campanha contra a Maçonaria. A Maçonaria era proibia pelo Papa, apesar de no Brasil ser frequentada por grandes personalidades do Império. O fato causou conflitos entre a maçonaria e  a igreja, por sua vez possuía padres maçons.

Em defesa da Maçonaria, o chefe do governo dirigiu a assembleia propondo uma campanha na imprensa contra os bispos, união entre os maçons e recolher fundos para a luta. Dom Vital fora acusado de gerar conflitos políticos, passando a ser chamado pela imprensa de “frade de espírito inquisitorial”.

Depois de vários debates e conflitos, no dia 14 de maio de 1873, a Igreja dos Jesuítas fora invadida, ferindo fiéis durante a invasão. Em 12 de abril do mesmo ano, Dom Vital fora intimado a suspender as proibições a Maçonaria, Dom Vital resistiu.

Dom Vital foi preso e condenado a quatro anos de prisão e trabalho forçado. Dom Pedro II ainda tentou uma condenação por parte do Papa Pio IX para Dom Vital. Sob pressões populares e política, em 17 de setembro de 1875, sob o Decreto 5.993, Dom Vital foi anistiado.

Dom Vital viajou a Roma para se esclarecer e pedido exoneração do cargo, a exoneração fora negada tanto por Pio IX, quanto pelo seu sucessor, o Papa Leão XIII. Em outubro de 1876, Dom Vital retornou à Diocese de Olinda .

Em virtude de sua saúde retornou a Europa, onde faleceu no dia 4 de julho de 1878, aos 33 anos de idade.

Referências:

 

http://www.fundaj.gov.br/notitia/servlet/newstorm.ns.presentation.NavigationServlet?publicationCode=16&pageCode=301&textCode=4787&date=currentDate

OLÍVOLA, Frei Félix de. Um grande brasileiro a serviço de Deus: D.Frei Maria Gonçalves de Oliveira. 4.ed. Recife: Imprensa Universitária, 1967.

SILVA, Jorge Fernandes da. Vidas que não morrem. Recife: Departamento de Cultura, 1982.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *