A história do diabetes

A história do diabetes.

Por Fernando Rebouças

No ano 1.500 a.C , no Egito Antigo, os médicos daquele tempo registravam casos de pacientes que costumavam urinar além do normal e emagreciam até morrer. Na Grécia, entre os anos 80 e 138 d.C, o médico Aretaeus lançou o termo “diabetes mellitius” para conceituar a respeito do gosto adocicado da urina dos pacientes.

Somente em 1776, Matthew Dobson criou um método para identificar a concentração de glicose na urina. Em grego, o termo “diabete” significava “sifão” em referência à constante passagem exagerada da água pelo rim. A doença seria reconhecida em nível clínico somente em 1812, na publicação da primeira edição da revista The New England Journal of Medicine. Naquele tempo o nível de ocorrência de diabetes na população era desconhecido.

Já naquela época, a maioria dos pacientes desprovidos de tratamento morria em semanas ou meses. Em 1889, os pesquisadores alemães Oskar Minkowski e Joseph von Mering descobriram que a retirada do pâncreas do organismo dos cães os deixavam vulneráveis ao diabetes, concluíram que a causa do diabetes estava relacionada ao pâncreas.

No ano de 1910, o pesquisador Edward Sharpey-Schafer concluiu que a diabetes seria causada pela ausência de uma substância química produzida no pâncreas pelas células das ilhotas de Langerhans, daí batizou a substância de insulina em referência à palavra insula, que significa ilha.

Logo depois da Primeira Guerra Mundial, em 1921, Frederick Banting e Charles Best conseguiram reverter o quadro do diabetes em cachorros após injetarem extratos de células ilhotas sadias em seus pâncreas. A partir dessa época, a insulina passou a ser utilizada em todo o mundo.

No ano de 1977, foi descrito na revista Science um novo método para a inserção do gene da insulina humana em bactérias escravas, obrigando-as a produzir a insulina em escala industrial, a técnica nomeada de DNA recombinante, gerou as bases da atual biotecnologia industrial. Nos anos seguintes, surgiriam medicamentos para ser ingeridos por via oral, capazes de substituir o uso de injeções nos pacientes.

Porém, os avanços tecnológicos ainda não conseguiram absorver a grande demanda de pacientes no mundo, em pleno século XXI, o mundo vive uma epidemia de diabetes, no Brasil há cerca de 12 milhões de pacientes, número que deve crescer ainda mais até 2050, caso o brasileiro continue engordando como o cidadão norte-americano.

Referências:

http://envolverde.com.br/saude/artigo-saude/a-historia-do-diabetes/

http://www.diabetes.etc.br/historia-descobrimento-diabetes-mellitus

http://www.diabetes.org.br/mais-informacoes-sobre-diabetes/416

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *