MOL (Química)

MOL (Química)

O MOL é utilizado para quantificar a grandeza de substâncias, no Sistema Internacional de Unidades corresponde a 6,022 x 1023 moléculas de uma determinada substância. É utilizado na Química e ajuda a simplificar as proporções químicas no cálculo de concentração de carbono.

Portanto, sendo uma unidade de medida para representar determinada quantidade matéria microscópica como moléculas e átomos o seu termo é proveniente do latim “mole” que significa quantidade. O termo “mole” foi proposto pela primeira vez em 1896, por Wilhem Ostwald. Mas, em 1811, Amadeo Avogadro sugeriu que determinada quantidade de matérias diferentes apresentava similar quantidade de moléculas, tal conceito ficou conhecido como Constande de Avogrado.

A partir do século XX, cientistas a partir das pesquisas do químico Frances Jean Baptiste Perrin, determinaram a quantidade correta num mol equivalente a 6,02.1023 entidades. Desde então, tornou-se possível calcular o mol de qualquer matéria e seu componente atômico, incluindo elétrons, prótons e nêutrons.

Numa compreensão inicial, quando trabalhamos com um elemento químico ou conjunto de átomos isótopos temos que utilizar a seguinte expressão:

1 mol de um elemento = 6,02.1023 átomos deste elemento

Podemos utilizar a unidade mol e relacionar o mol de determinada matéria com a sua massa, determinando também o volume quando a matéria está no estado gasoso. Exemplo de relação do Mol com a massa:

Elemento cobre (massa atômica 63,5 u)

Sabe-se que um mol de cobre apresenta 6,02.1023 átomos de cobre e que a massa do elemento é 63,5 u, assim sendo, em:

1 mol de cobre—— 6,02.1023 átomos de cobre—- pesa 63,5 g

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *