O Castelo

O Castelo.

Por Fernando Rebouças

Livro escrito por Franz Kafka. No ano de 1922, o autor levou seis meses para concluir a obra que foi publicada depois de sua morte, assim como ocorreu com o “O processo”. O personagem principal é um responsável por dividir as terras agrícolas, o personagem é referido como “K”, homônimo do personagem Josef K de “O processo”.

K é solicitado por um conde para prestar seus serviços de agrimensor. O personagem K não consegue adentrar ao castelo para efetuar  o seu trabalho, ficando o tempo inteiro na vila situada ao terreno externo do castelo.

Além de K, os personagens são Frieda (balconista do albergue), Olga, Barnabás (irmão de Olga e correspondente do castelo), Klamm (senhor do castelo), Pepi (empregada do castelo) e os ajudantes do próprio K. O livro lida com um certo nível de confusão e interpretação sobre o mesmo fato descrito.

Por não conseguir adentrar no Castelo, desconfia do chamado enviado por Klamm e começa a desconfiar até de sua existência. Permanece próximo ao castelo na esperança de ser admitido por Klamm.

Dentro de sua esperança sente-se aturdido por não poder se comunicar com Klamm, que se torna numa autoridade inacessível. Tenta contatar Klamm por meio de Frida e Barnabé. No decorrer da história, Frida torna-se amiga  de Klamm.

Simbolicamente, falar com Klamm seria uma maneira de ter contato com os mais altos postos da sociedade, e Frida significava o serviço submisso à autoridade simbolizada em Klamm.

K sente-se cansado a ponto de se distrair de sua própria espera, até receber a comunicação de que Klamm. O tempo inteiro o fracasso toma conta do sentimento do personagem.

Max Brod era um grande amigo de Kafka e recebeu do autor a explicação do final do livro. K morreria de esgotamento, rodeado pela comunidade local e postumamente autorizado a trabalhar e viver no lugar.

K simboliza  o herói que luta contra o castelo, luta para ser aceito pelo castelo, pela autoridade para ser efetivamente inserido na sociedade. K o tempo inteiro crê que está lutando para entrar no castelo, no entanto, o tempo inteiro se encontra ao redor do mesmo.

O livro permite boas interpretações a respeito da relação do cidadão e sua sociedade, principalmente a respeito de sua aceitação social. Representa uma crítica à burocracia estatal. Psicologicamente, o castelo poderia ser considerado como o inconsciente de K, a vila a sua consciência e ,os acontecimentos, as suas incertezas.

Dica de leitura !

Recentemente, a editora Martin Claret publicou uma nova edição do livro no Brasil com nova capa e tradução revisada, veja mais detalhes do livro: http://www.martinclaret.com.br/index.php/o-castelo/

Capa:

O Castelo

Referências do artigo:

http://pt.wikipedia.org/wiki/O_Castelo

http://www.espacoacademico.com.br/007/07trag_kafka.htm

Kafka, Franz. O Castelo. Ed. Martin Claret. São Paulo ,2009

Atualizado em 12/04/2016

,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *