Síndrome da pressa

Síndrome da pressa

Por Fernando Rebouças

Considerada uma necessidade ou vício, a pressa , considerada a inimiga da perfeição, tem sido um dos estímulos ou conseqüências do mundo atual. Em nossa sociedade pós- industrial e biotecnológica, o ser humano é exigido a responder e a corresponder às cobranças do mercado, a estar presente em vários lugares ao mesmo tempo, a cumprir horários e a efetuar trabalhos dentro de prazos acima da capacidade mental e física humana.

Estas situações levam o ser humano a se sentir ansioso, atrasado ou abaixo dos outros, do tempo e das expectativas de resultados.  Estar “up”, em dia, ou afoito para cumprir todos os compromissos tem gerado nas pessoas a síndrome da pressa, que se desdobra mesmo quando indivíduo não possui compromissos marcados num determinado dia.

Neste quadro a pressa já se tornou num comportamento adquirido, independente do da quantidade de tempo e das cobranças a serem efetuadas. A síndrome da pressa está presente em 30 % da população ativa do Brasil, e provoca distúrbios comportamentais, emocionais e afetivos.

Dentre os distúrbios podemos citar a agonia, a execução de várias tarefas simultaneamente, impaciência nos relacionamentos inter-pessoais e stress. O indivíduo buscar extrair o máximo de seu tempo para fazer várias “coisas”, que muitas vezes não consegue realizar com exatidão e perfeição.

Dentro desta síndrome, o indivíduo considera desnecessário momentos de prazer e descanso, pois significam perda de tempo, no qual estaria realizando tarefas mais importantes.

O paciente desta síndrome assume um comportamento agressivo, uma fala apressada, tensão muscular e insônia. Há o risco físico de desenvolver doenças cardiovasculares e sofrer de derrames e infarto.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *