Teoria do romance II – Mikhail Bakhtin (livro)

Teoria do romance II – Mikhail Bakhtin (livro)

Desenvolvida nos anos 1930, a Teoria do romance de Bakhtin só foi publicada, e de forma parcial, no ano de sua morte, em 1975, no volume Questões de literatura e de estética. Apenas em 2012 o texto integral veio à luz, na Rússia, no conjunto de suas Obras reunidas. É a partir dessa nova edição crítica que se publica agora no Brasil o segundo tomo da Teoria do romance, com tradução de Paulo Bezerra.

Este volume introduz um dos conceitos-chave do pensamento de Bakhtin, o “cronotopo”, ou seja, a configuração do tempo e do espaço na prosa literária. Neste “ensaio de poética histórica”, o autor parte do romance grego, passa pelas obras de Apuleio e Petrônio, pelo gênero biográfico e autobiográfico (Platão, Plutarco, Santo Agostinho), pelo folclore, pelos romances de cavalaria (incluindo uma original análise da Comédia de Dante) e pelos personagens picarescos, para chegar na extraordinária obra de François Rabelais.

Leia um trecho do livro: 

“A forma da ‘incompreensão’, proposital no autor e ingênua nas personagens, é um elemento organizativo quase sempre que se trata de denunciar o mau convencionalismo. Esse denunciável convencionalismo – nos costumes, na moral, na política, na arte, etc. – é habitualmente representado do ponto de vista do homem que nele não comunga e não o compreende. A forma da ‘incompreensão’ foi amplamente empregada no século XVIII para denunciar a ‘insensatez feudal’.

(pág 115)

Sobre o autor

Mikhail Bakhtin nasceu em 1895 em Oriol, na Rússia. Estudou em Odessa e Petrogrado, foi professor de história, sociologia e língua russa na cidade de Nével, na década de 1910, e liderou um grupo de intelectuais que ficaria conhecido como o Círculo de Bakhtin. Em 1928 foi preso pelo regime de Stálin, mas ainda conseguiu publicar um de seus trabalhos mais importantes, Problemas da obra de Dostoievski (1929). Condenado a um campo de trabalhos forçados, teve a pena comutada para o degredo no Cazaquistão, onde viveu até 1936. Bakhtin continuou proibido de viver em grandes cidades e se estabeleceu em Saransk, isolado do circuito acadêmico e literário da União Soviética, trabalhando como professor em escolas públicas. O autor foi resgatado somente na década de 1960 por três estudantes de Moscou – Kójinov, Botcharov e Gátchev -, que o ajudaram a se reintegrar ao cenário intelectual do país e a editar suas obras: o ensaio sobre Dostoiévski foi revisto e publicado com o título Problemas da poética de Dostoievski(1963), e foram editadas sua tese de doutorado A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais (1965) e a coletânea de ensaios Questões de literatura e estética (1975). Faleceu em Moscou, em 1975.
,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *